domingo, 30 de abril de 2017

ROXO,ROXO...

O Caixa Preta me contou que perto da casa dele mora uma viúva muito simpática que tem um filho, muito simpático, que anda sempre na moda, muito arrumadinho, estuda numa boa escola particular, mas parece que durante muito tempo, foi criado pela avó.



Sabe como é que é? O menino nunca brincou com a molecada na rua, jogar bola então, nem pensar! A véia morria de medo do moleque se machucar e ficar todo roxo, que vamos e venhamos é uma cor pra lá de suspeita, passou muito tempo entre uma coleção de bonecas , brincando de casinha...
Quando cresceu, já adolescente, veio morar com a mãe que tinha ficado viúva e não queria morar sozinha naquela casa.
Muito educado, Aurynelson (olha o nome do cabra). O pessoal da vizinhança começou a pegar no pé da figura, que, de propósito, quando passava pelo boteco onde a bebaiada se reunia no final da tarde, só de sacanagem, dava uma reboladinha e a turma danava o pau a assobiar, era uma algazarra tremenda.
Um dia a mãe ouviu um comentário cochichado pelas fofoqueiras da região, o mundo quase desaba. Ao chegar a casa resolveu tirar a coisa a limpo.
Chamou o moleque no cantão e perguntou na bucha : - Aurynelson, olha pra mim e responda, você é gay?
Aurynelson tirou os brincos, limpou o batom que tinha acabado de passar, ainda estava de camisola, se preparando para sair com as amigas. Botou as mãos na cintura e muito macho falou : - Mamy, tú talôkaaa? Que babado fortíssimo é esse?
- Me amarrota que eu tô pas...sa..da!!! Congela!! Quase ovulei com essa, vou cortar os pulsooooos!!!
- Eu sou muito macho, adoro futebol e sou são paulino roxo!!!!!

Não sei se o pobre rapaz ainda está vivo, mas a mãe nunca mais foi vista na cidade.