segunda-feira, 25 de outubro de 2021

REMENDOS





Confesso que essa maldita pandemia está nos afastando das coisas que gostamos, temos que evitar frequentar os locais ou lugares onde a gente sempre se encontrava para tomar aquela cerveja gelada, ficar sabendo as coisas do Guará.
Quando lembro do nosso refúgio, o sempre bom e velho Porcão, um boteco emblemático de Guará, onde reinava aquela sujeira salutar estampada nos aventais dos garçons.
Adotado  e adorado por endividados, quebrados, duros e todo tipo de cachaceiro, já virou uma marca registrada na cidade.
Meus olhos ficaram marejados quando lembrei do nosso garçom preferido, o carinhoso e gentil Galak que sempre nos recebia com alguns coices, impropérios e a má vontade que lhe é peculiar, um verdadeiro asno batizado.
Lembrando tudo isso, parece até que embarcamos no túnel do tempo, voltamos ao passado não muito remoto e nos deparamos com os mesmos erros que continuam acontecendo por aqui.
Segundo o meu amigo Caixa Preta, basta dar uma volta no Guará, tenha a certeza que vamos nos deparar com um Guará que a muito deixou de nos orgulhar, com esse monte de remendos que alardeiam como obras, tudo feito nas coxas, basta dar uma olhada nos remendos do asfalto.



São os famigerados puxadinhos, invasões, praças mal cuidadas, calçadas, as  poucas que existem estão em péssimas condições ou foram totalmente ocupadas por comerciantes inescrupulosos que nos obrigam a andar no meio da rua, muitas não resistiram ao abandono que foram deixadas durante os anos que passaram.
Por favor não me falem em falta de recursos, não brinquem com nossa inteligência, por favor nos poupem.
Não digam que estão tentando melhorar, pois nem sinal de vontade de trabalhar para melhorar a cidade demonstram.
Paciência tem limites! 

quarta-feira, 20 de outubro de 2021

GUERRA NO CALÇADÃO




Fiquei a observar os ciclistas que trafegam lá no Ciclodão, a nossa ciclovia que vai do nada a lugar nenhum, muitas vezes ocupando a pista de pedestres, causando transtornos e alguns entreveros entre os frequentadores do Calçadão da Vergonha.
Onde as duas se misturam, a convivência entre os usuários do Calçadão da Vergonha fica muito tumultuada, as reclamações explodem contra ciclistas mal educados.
Como sabemos as ciclovias exercem um grande fascínio sobre a população em geral, em especial nos ciclistas leigos. 
Existe uma crença que só a segregação do ciclista em relação ao trânsito proporciona segurança no pedalar é muito enraizada, mas a realidade é outra. 
Não resta dúvidas que ciclovias têm qualidades, mas não existe milagre e elas também apresentam seus pontos fracos. Talvez o ponto mais forte do conceito ciclovia esteja no imaginário das pessoas. 
Ela pode ou não ser a opção mais segura e apropriada, em várias situações é mais apropriado ter faixas para ciclistas, sinalização, trânsito partilhado, até mesmo não fazer absolutamente nada. 
Mas há outros fatores a ponderar antes de optar pela ciclovia, o que não foi considerado na do Guará. 

segunda-feira, 18 de outubro de 2021

EMOÇÕES




O calor continua, essa proximidade com o vulcão espanhol nos deixa a mercê desse calorão infernal, começo a sonhar com a minha offshore, será que está rendendo como as do nosso ministro?
O telefone toca me chamando pra triste realidade que nos assusta, era o meu amigo Caixa Preta que me convidava para uma reunião de emergência lá no Porcão. 
Queria me contar algumas novidades.
Em boa hora, pois eu já estava procurando uma desculpa para dar um rolê pela cidade, muita coisa pode ter acontecido, só o velho Caixa poderia me atualizar, pois eu estava igual ao facebook e as demais redes sociais que resolveram sair do ar, deixando muita gente sem pai nem mãe.
O velho Caixa não deixa nada passar batido, lembrou algo dito pelo nosso ministro da economia sobre pobres, onde até o filho da empregada estava indo pra Disney, uma verdadeira aberração, segundo ele.
Ele se dirigia a uma minoria de nós, os pobres, já preparando o nosso lombo para o fato de que poderemos ficar até mais pobres, mas não será tão ruim assim como alguns podem pensar.

quarta-feira, 13 de outubro de 2021

INCOMPETÊNCIA






Como diz o meu amigo Caixa Preta, o Guará tem, como todas as regiões administrativas, problemas de todo o tipo.
Desde mobilidade, cuidados com bens públicos, plano urbanístico, adensamento populacional, mais uma série recorrente nas reclamações dos contribuintes
As notícias que nos chegam de outras cidades não são muito diferentes das que temos aqui, quando se trata de mau atendimento e o retorno de benefícios em prol do contribuinte é que nos damos conta das nossas reais deficiências, que saltam aos olhos de quem preocupa-se com a cidade, vendo o futuro indo pro brejo, sem que mova-se uma palha para tentar melhorar ou mesmo minimizar o nosso futuro.
Não é só no Guará que a crise financeira se reflete na economia, com empresas passando por sérias dificuldades, algumas fechando e o desemprego aumentando.
Isso, porém, não absolve nenhum dos responsáveis por solucionar ou minimizar esses problemas, a começar pelo omisso GDF, pois o rotundo governador só pensa em futebol, sem nada ter feito que se aproveite até agora, entrou em desespero pra se reeleger. Mas parece fazer parte de um plano para transformar o DF num verdadeiro inferno, onde nada é feito para melhorar a vida do contribuinte.

sexta-feira, 8 de outubro de 2021

POETAS NA PANDEMIA IV




SEM FRESCURAS

A vida não precisa de garfo e faca,

Da toalha posta sobre a mesa,

Do guardanapo, guarnições e mil etiquetas.

A vida precisa que você caia de boca,

Se lambuze e saia abraçando sem medo,

Pegue o prazer com as mãos, faça caretas.

Espalhe beijos lambuzados, inesquecíveis,

Na face do dia, na boca da noite, no braço de mar,

Na face da lua, sem incertezas ou talvez.

A vida precisa de saudades, da ida da partida,

De tudo por inteiro, que dói, que corrói,

Que encanta, levanta, começa e recomeça mais vez.


Autor : Fernando Gurgel

terça-feira, 5 de outubro de 2021

FAZ DE CONTA




O Caixa Preta estava nervoso, não estava muito tranquilo e com cara nada amigável, apesar do calor o convidei para dar uma volta lá no Lúcio Costa onde a oitava maravilha do mundo, segundo alguns lacaios do governo trombeteavam sem um pingo de pudor, estava sendo reinaugurada com um alarde monumental.
A famosa passagem subterrânea passava por uma revitalização, que na verdade não passa de uma maquiagem de quinta categoria, mas muitos chegaram ao ponto de comparar com alguma coisa localizada lá na Europa, deve ter sido por causa do calor que está derretendo o pouco de cérebro que lhes resta.
Nada foi feito pra melhorar a coisa, apenas passaram tinta no chão, nas paredes, trocaram algumas lâmpadas, mas se não fosse a rapaziada do grafite, que merecem parabéns, pois nem água lhes foi fornecida apesar do calor escaldante, que conseguiram disfarçar as mentiras propagadas por órgãos que disputavam a tapa o malfeito.
Não tiveram nem vergonha de tapar a buracaiada, a coisa como sempre foi feita, nas coxas, o que já se tornou marca registrada do Guará.
Com a chegada do ano eleitoral muita coisa vai ser empurrada goela abaixo do contribuinte, como se a população na verdade não passe de um amontoado de idiotas.

segunda-feira, 4 de outubro de 2021

APENAS UM SONHO




Minha gente esse calor está fazendo o deserto do Saara parecer um lugar de veraneio para masoquistas, estou quase dormindo dentro da geladeira pois segundo o Caixa Preta o inferno seria apenas um detalhe aqui no Guará, nem toda a cerveja do Porcão pode aplacar o calor, mas a turma do come quieto está deitando e rolando, fazendo a festa para botecos, quiosques no nosso quadrado, parece que o programa Meu Boteco, Minha Vida voltou com força total.
A falta de fiscalização, o descaso, a vergonhosa omissão campeiam por aqui, tem uma galera que aproveitando essa pasmaceira geral, deita e rola.
Hoje a população começa a perceber que a coisa está mal, quando, por onde se anda depara-se com monstrengos construídos nas coxas, invasões criminosas por toda a área urbana, a coisa chega a doer, pois a falta de bom senso tomou conta dos aproveitadores de ocasião, aproveitando todas as brechas propiciadas com o descaso indecente dos que deveriam zelar pela cidade, mas as máscaras estão caindo, as verdadeiras intenções logo aparecerão, pois parece que a população começa a acordar do seu sonho de princesa.

quarta-feira, 29 de setembro de 2021

NAS COXAS




Você já teve oportunidade de passar nas obras que a Novacap, naquelas praças feitas nas coxas que estão implantando no Polo de Modas, um verdadeiro acinte ao contribuinte, pois o que se vê é muita lentidão na conclusão de tais obras, com total falta de planejamento e um estudo minucioso das reais necessidades do local.
Sem consultar o pessoal da localidade, pois acham-se superiores, mas aprontam uma merda em cima da outra, tudo isso com o dinheiro suado do contribuinte.
Talvez alguns achem que estou sendo muito radical, não vejo ninguém se manifestar contra a mais essa prova de incapacidade para melhorar espaços públicos, já vejo alguns tecerem uma série de elogios em mais uma aberração enfiada goela abaixo da população, que como sempre nada terá o que comemorar.
As tais praças já nascem com erros crassos na sua concepção, a não ser proporcionar a algum político um palanque onde rodeado de puxas sacos, alardeando um amontado de mentiras como se aqui só morassem idiotas, pode até parecer, mas tem muita gente de olho nessa turma e nas próximas eleições vai dar o merecido troco.
Além de tudo feito nas coxas, falta um mínimo de planejamento pois pensar não faz parte do manual dessa turma que se acha a nata do urbanismo.

terça-feira, 28 de setembro de 2021

LEMBRANÇAS DO TEMPO FRIO




Essa frente fria que assola o nosso quadrado já está me deixando incomodado, fico até sem vontade de tomar uma cerveja com o Caixa Preta. 
Mas encontrar o velho Caixa e quase uma obrigação, pois assim consigo algum assunto pra escrever e publicar no jornal.
Saio rumo ao Porcão para encontrar com o cabra, que parece ter adivinhado o meu pensamento, surge de repente e, com ele, um convite para aplacar a sede lá no Porcão, não poderia ser diferente.
O “Galak” o nosso garçom preferido já nos esperava como sempre com aquela alegria de fazer inveja a velório, com a faca na mão, estava tranquilamente tirando a sujeira debaixo da unha do pé que parecia encravada, fiz de conta que não vi, mas o estômago tentou sair pela boca. 
Quando nos viu jogou a faca na mesa lá da cozinha onde preparava o tira gosto e veio ao nosso encontro, resmungando e xingando para demonstrar a satisfação em nos ver. Fiquei tão alegre que quase saio correndo dali, só não corri porque estava cansado e o frio lá fora não era muito convidativo. 
Pedimos a nossa cerveja, logo o velho Caixa começou a falar dessa turma que agora sai das sombras, infestando os grupos de What’sApp da cidade, onde muita abobrinha rola e ainda promete rolar, pois as eleições se aproximam, alguns tentarão sem sombra de dúvidas a sorte nas urnas.

terça-feira, 21 de setembro de 2021

A PRAÇA




Lá no Porcão onde bebíamos uma cerva, jogando conversa fora eu e meu amigo Caixa Preta discutíamos o lançamento ou relançamento de um projeto, que parecia ter sido engavetado, agora querendo voltar com força total, uma cretinice totalmente estilizada.
Voltamos a falar do Adote Uma Praça, onde os contribuintes que moram nas cercanias das praças, passam a cuidar delas como se fosse o seu quintal.
Sabe-se que a muito as praças do Guará de um modo geral sofrem de completo abandono por parte da Administração, na sua maioria ocupadas por quiosques, vagabundos, usuários de drogas e tudo que pode ser ocupado numa praça abandonada, com bancos, quadras esportivas detonadas, um lixão.
O velho Caixa meio saudosista me falou que lá pela década de 60 tinha uma música que falava justamente das praças, mais ou menos assim: A mesma praça, o mesmo banco, as mesmas flores e o mesmo jardim...esses versos embalaram muito namoro por aqui não é da minha época, mas já ouvi falar.
Lamentavelmente hoje o que vemos nas praças do Guará é um cenário desolador, pois, com a quantidade de lixo acumulado , calçadas quebradas, nem banco, nem jardim, flores menos ainda, até os parquinhos infantis estão detonados em nada que se pareça um ponto de encontro comunitário.
Dá saudade de quando tínhamos praças, onde era tradição a vizinhança se encontrar para bater um papo descontraído no final da tarde ou mesmo a noite, levando a tiracolo os filhos pequenos para curtir.

segunda-feira, 20 de setembro de 2021

PERFEIÇÃO




Ninguém aguenta mais, parece até que vivemos numa terra de sonhos, onde os pesadelos nossos de cada dia não tem razão de ser, a não ser a nossa velha mania de reclamar de tudo, onde até a perfeição leva vaia, mas se olharmos com uma certa isenção veremos que mais uma vez tentam nos enganar.
Talvez com mentiras eleitoreiras ponham uma venda sobre os nossos cegos olhos, pois na verdade gostamos de ser enganados como sempre somos e ainda aplaudimos, tudo então vira festa.
Esse governo não cansa de nos surpreender, não por atos que sejam dignos de elogios ou por trazer no bojo coisas que realmente tragam algo de bom para a tão sofrida população que a muito espera algo com que possa comemorar.
Falta dinheiro pra sustentar as principais despesas do Estado, mas não falta para jogar fora ou utilizar de forma estranha. 
Nada mais me assusta, como é o caso dessa injeção de verbas no IGES-DF, nas amigas concessionárias de transporte público ou contratos de patrocínio de times de futebol de outros estados, dinheiro público que nada trará de benefícios para a população do DF.

terça-feira, 14 de setembro de 2021

AGONIZANTE




Sem querer encontrei com o Caixa Preta, o cabra estava transtornado com o descaso como está sendo tratado o nosso Parque do Guará, que junto com a Reserva Biológica-REBIO, formam o nosso cinturão verde.
Parece que atentados contra o meio ambiente estão se tornando marca registrada do Guará, uma cidade cercada de verde mas com uma tradição muito forte pelo descaso com a natureza, apesar de alguns poucos que realmente o defendem, na tentativa de preservar o pouco que temos.
Basta observar com atenção os movimentos que fazem para tentar chamar a atenção das autoridades contra essa verdadeira chacina contra o nosso meio ambiente, sem observar os verdadeiros atentados contra a nossa qualidade de vida dentro da própria cidade, onde cada dia que passado recebemos tapas na cara de políticos que dizem amar o Guará e vertem lágrimas de crocodilos quando falam disso.
Usam como trampolim para posarem de bonzinhos, quando na verdade os interesses são outros não tão republicanos, os especuladores imobiliários que o digam.

quinta-feira, 9 de setembro de 2021

NA ENCOLHA








Encontrar o Caixa Preta invocado não dá pra estranhar, mas parece que algo tinha deixado o velho Caixa mais bravo do que siri na lata, o cabra estava uma arara, pensei até ter visto sinal de fogo saindo pelas ventas do bicho, uma visão aterradora.
Tentei acalmar o Guerrilheiro do Cerrado, pedi que ele me contasse o motivo de tanta raiva, depois que ele passou a relatar o que se passava eu também já fui perdendo a paciência.
Segundo o Caixa ali no Parque do Guará bem próximo ao Carrefour, onde recentemente foi dada uma nova denominação, por sinal muito pomposa, Superquadra Park Sul - SQPS, o que sem dúvida alguma elevará o preço dos imóveis, lá onde grileiros estão invadindo a área de proteção e construindo uma verdadeira cidade no meio do mato.
Quem passa de metrô vê um punhado de galpões construídos e murados, para isso abriram uma clareira dentro do parque onde tranquilamente constroem, destruindo parte da vegetação que já está muito maltratada pela ação desses marginais,é preciso abrir os olhos da população para evitar mais esse dano ao patrimônio do nosso querido Guará.

terça-feira, 7 de setembro de 2021

DE TANGA




Depois de algum tempo confinado por causa dessa maldita pandemia, resolvi dar uma volta pela cidade, estava ansioso pra saber das novidades.
Minhas pernas adestradas me levaram direto ao templo da sujeira o bom e velho Porcão, querendo encontrar o Caixa Preta para ficar atualizado com o que ocorre no Guará.
Sentado na mesa todo sorridente o meu amigo Caixa Preta, estava pra lá de relaxado,  devagar fui chegando até a mesa onde um copo e a famosa cerveja canela de pedreiro me aguardava, não me emociono facilmente, mas senti os olhos marejados, estava salivando igual a neném quando começa a nascer os dentes.
O cabra estava afiado, sem perder tempo foi soltando as pérolas, dizendo logo que queria ficar de porre até o ano que vem, pois do jeito que estavam projetando tudo para esse ano, desgraça pouca é bobagem ,logo estaremos como no descobrimento, todo mundo de tanga!
Apesar de contrariado tive que concordar com o velho Caixa, pois acabara de sintetizar o sentimento de quase todos em relação ao momento por qual passamos, com o dinheiro diminuindo, tudo ficando cada vez mais difícil, basta dar uma olhada nos aumentos que estão nos empurrando goela abaixo.

terça-feira, 31 de agosto de 2021

NÃO É FAVOR




Conversando com o Caixa Preta, senti que o cabra estava meio tenso, imaginei que fosse por causa do longo confinamento, alguma coisa o estava contrariando.
Conhecendo a fera resolvi com muito cuidado falar sobre isso, quem sabe talvez o fizesse relaxar contando o motivo pra mim, que sou seu amigo.
Muito sério ele começou a falar sobre o tema do momento, o preço da carne, parece uma paranoia coletiva só se fala nisso em todas as rodas de conversa, tudo indica que não existem outros problemas que clamam por uma resolução.
Pois o que o preocupa mesmo,é o preço exorbitante do leite condensado, confesso que ri, mas com uma vontade lascada de lhe dar um murro.
Logo passamos para assuntos mais sérios, principalmente quando o assunto é o Guará, parece que os abutres estão inquietos, querendo devorar o pouco que ainda resta por aqui, muitos assuntos já estão cansando, parece que as reclamações da população não chegam aos responsáveis, todo mundo fazendo aquela conveniente cara de paisagem.

segunda-feira, 30 de agosto de 2021

LEITORES




Encontrei com um amigo que a muito não via, confesso que não o reconheci, mas ao perguntar sobre o Caixa Preta, logo identifiquei como um leitor da minha coluna. 
Aliás, fiquei surpreso em saber que os leitores da coluna estão aumentando, antes eramos dois, eu e a minha revisora de texto, chegamos ao terceiro leitor, a nossa meta agora é completar pelo menos uns dez até dezembro.
Mas o amigo me alertou sobre o abandono que sofre o Guará nos dias de hoje, pois segundo ele tem notado com a degradação da cidade com esse crescimento desordenado, com os lugares públicos sofrendo de um descaso que chega a ser criminoso.
Muita coisa rola por aqui, trazida dos diversos rincões, a nossa pluralidade que tanto nos orgulhava hoje causa uma certa preocupação, pois ao crescimento populacional não veio atrelada a melhora em infraestrutura, prejudicando muito a qualidade de vida dos moradores do Guará. 
Com essa turma que deveria cuidar para melhoria da qualidade de vida do nosso Guará, não se deve ter muita esperança de melhoras a curto prazo.
Não sou contra o crescimento ordenado, nem a vinda de moradores de outras regiões, que sempre trazem o que é bom e ruim, nem é bom falar para não começar a chorar, mas talvez hoje por isso temos pouco que nos orgulharmos.