sábado, 24 de novembro de 2018

O 38...UM SONHO DE CONSUMO

O Caixa Preta estava meio sem assunto, mas pra não perder a oportunidade, resolveu mesmo assim contar um daqueles casos malucos que levam a sua marca registrada.
Fez aquela famosa cara de suspense e começou:
Ainda lembro muito bem, parece que foi ontem, criei coragem e de uma vez por todas resolveria aquele problema que me incomodava já fazia um bom tempo.



Foi com essa coragem que entrei na loja para comprar um trinta e oito, a loja lotada, fiz o pedido e todos me olharam desconfiados, senti que minha presença estava incomodando os outros, fiquei meio sem jeito.
Saí da loja com o coração saindo pela boca de tanta emoção, ansioso por experimentar o tão cobiçado objeto do desejo, passei quase duas horas dentro do busão com o trinta e oito no colo, fazia calor, senti que as gotas de suor ensopavam minha camisa, era muita emoção.
Pareceu uma eternidade, mas finalmente consegui chegar em casa, coloco o trinta e oito em cima da cama, senti que estava quase chegando a hora.
Ligo a vitrola deixo aquele bolachão antigo, enjoativo, depressivo tocando uma música, onde a cantora de soul deixa toda emoção fluir.
Fico sentado ouvindo aquele som e buscando o real motivo que me levou a comprar o trinta e oito, minhas mãos tremem.
É tanta emoção, que tenho até medo de morrer sem experimentar o trinta e oito. Acendo um cigarro e espero, disco rolando na vitrola, sinto que acabou o tempo de ficar pensando e partir para a ação, vou resolver isso agora, nada de ficar protelando.
Com ele na mão puxo de uma vez e vem aquela dor aguda me levando para bem longe, agora não tem retorno pois isso já era uma ideia que vinha amadurecendo já faz um bom tempo, mas a eterna falta de grana não me deixava realizar meu desejo.
Finalmente consegui e o experimentei uma dor lancinante no meu calo, lágrimas molharam meu, rosto.
Tentarei me lembrar da próxima vez que calço o número quarenta e um.
Quase dei um tiro no velho Caixa!