sábado, 10 de novembro de 2018

IMAGINEM O RESTO

Domingo fui dar uma volta pela cidade e me deparei lá no Ginásio de Esportes do Cave com uma mostra cultural pra lá de interessante, trata-se do MOTIM: Mercado de Produção Independente.



A mostra reuniu gente de todo o país, do DF e do mundo. Fiquei boquiaberto com o nível do público e dos expositores que vieram de todas as partes para prestigiar o evento, trazendo junto um público bem eclético, o que achei muito bom para o nosso Guará que anda tão carente de boas iniciativas como essa.
A organização também impressiona, o trato com o público, com os artistas expositores, deu um clima muito agradável para todos os participantes. Conversei inclusive com um dos idealizadores da mostra que já vai na 5ª edição, para meu espanto, pois não conhecia.
Eles são aqui do Guará, são jovens moradores com uma vontade imensa em fazer a nossa cultura despontar entre as diversas espalhadas pelo DF, Brasil e mundo.
Sempre estranhei as reclamações dos promotores culturais sobre a falta de apoio logístico em eventos ocorridos na cidade, pra mim era frescura de artistas querendo aparecer, mas para meu desencanto pude constatar realmente o que acontece.
Primeiro as instalações que tranquilamente poderiam ser alojadas dentro do Salão de Múltiplas Funções, que está vazio e sem uso, local mais amplo e arejado, onde a mostra poderia melhor se desenvolver, dando conforto para todos os participantes e o público em geral.
Colocar um evento daquelas proporções dentro do Ginásio do Cave foi uma brincadeira de extremo mal gosto, além da total falta de respeito com os expositores e o público que visitou a mostra, pois o local além de escuro, não tem ventilação e a acessibilidade ao local do evento é zero.
Fiquei chateado, pensando: se a cultura tratam dessa forma, imaginem o resto.