sexta-feira, 8 de junho de 2018

AFINADO

Sem nada pra fazer resolvemos dar uma passada lá no Porcão, onde Galak, aquele poço de ternura nos recebeu com alguns palavrões, fiz de conta que não ouvi , me acomodei na primeira mesa onde eu podia vigiar a movimentação na cozinha e a praga do cachorro que não parava de rosnar e mostrar os dentes como se estivesse no dentista.



O Caixa Preta resolveu contar sobre uma dolorosa operação de hemorroidas, quase que ele me mata de rir.
Diz ele que chegou ao médico meio temeroso que foi logo dizendo que era preciso operar imediatamente, pois era melhor cuidar rápido para evitar danos maiores na região.
Vocês não imaginam como uma coisa tão pequena pode doer tanto, a primeira vez logo após a cirurgia nos leva a uma visita ao inferno, parece que você comeu piaçava, corda, arame farpado ou cinco gatos estão brigando ali, as lágrimas correm, você passa a andar igual a um bugio, pois tudo doí.
Não posso entender como uma coisa com o nome tão pequeno pode doer tanto, pensei que podiam ter posto um nome mais pomposo como: Nabucodonosor ou outro que não fosse tão sem graça como esse formado por apenas duas sílabas.
Tentei usar o ventilador para minorar a dor, parecia que nem eu deslizando pelado pelo monte Everest abaixo resolveria , o chuveirinho do banheiro não deu certo, só apelando pra fonte da torre para sentir algum alívio.
Depois de todo esse sofrimento, tudo se resolveu, agora estou peidando em ré menor, parece uma orquestra sinfônica de tão afinado.