domingo, 16 de outubro de 2016

LE CHIC

Chegamos no amado “Porcão”,pedimos a nossa cerveja que o Galak jogou em cima da mesa para indicar que a presença de alguém não lhe era muito agradável, aquela faca na cintura era apenas enfeite, mas o bom senso manda a gente ficar de olho.
O Caixa Preta me contou um caso bem interessante, no velho estilo das maluquices de sempre, e como sempre escutei sem rir pois o velho Caixa não gosta que riam dos fantásticos casos que conta, mas essa foi de lascar.



Dizendo ele que queria fazer uma presença com a patroa resolveu jantar em um restaurante chique lá no Plano, daqueles em que o cardápio é todo escrito em uma língua estrangeira para que os abestados que se aventurarem comer ali passem o maior “vexa”.
O Guerrilheiro do Cerrado mal sabe a língua pátria, é como aquele nosso político que de vez em quando tenta assassiná-la de qualquer maneira, mas fingiu que manjava francês.
“Peguei o cardápio fiz uma cara de que entendia tudo, mas não conseguia achar uma palavra parecida como bom e velho português, parecia um cego olhando para bunda de mulata, não via nada.
Queria beber algo diferente, procurei atá achar o item “Aperitifs” ,que achou muito fresco por sinal, um pouco sem jeito chamei o garçom e perguntei: “La Petite Femme Rustique” o que é? O cabra olhou pra mim como se um aborígene estivesse ali sentado, com uma má vontade de lascar, sorrindo traduziu:”Petite Femme”:Mulher pequena ou mulherzinha. “Rustique”:Rústica.
Mulherzinha rústica nada mais era do que Caipirinha. Pra que tanta frescura!
No dia seguinte acordei com uma ressaca e com ouvido tão aguçado que dava para ouvir os sinos da Catedral de São Pedro tocando lá em Roma, pedi para morrer mas a lei brasileira não permite ainda a eutanásia, o jeito era aguentar”.
Le chic de lascar !!