sexta-feira, 21 de setembro de 2018

ALÉM DO HORIZONTE

Encontrei com o meu amigo Caixa Preta lá no Porcão, pense num cabra nervoso, nem a cerva estupidamente gelada sobre a mesa o acalmou.
Depois de alguns goles, um pouco mais calmo, resolveu me contar o motivo daquela revolta, sem querer dei razão para o velho Caixa.



Se dizendo o Chico Mendes do cerrado, como agora quer ser chamado, evitei contrariá-lo apenas escutei.
Disse que agora é guerra, prometeu recorrer à Otan, Onu, ao Papa, ao Trump, ao Putin que ele diz ser um cabra bom, pois o nome é bem sugestivo, parece muito com o sentimento dele, pois está Putão com o está acontecendo na cidade.
Acordou pela manhã deu uma olhada pela janela de seu apartamento, sentiu que está ficando sem horizonte e ficou deveras preocupado.
Ali na Epia hoje tem um conglomerado habitacional que a cada dia cresce, não para de crescer, se duvidar está ficando bem maior que a Octogonal, uma coisa de tirar o sono de muita gente preocupada com o futuro.
Pois a grande explosão demográfica que vem no bojo desses projetos, pela necessidade de um projeto de infraestrutura que atenda a todas as demandas na implantação dos mesmos, torna os mesmos difíceis de serem aceitos sem reclamação por grande parte da população consciente.
O certo é que a nossa qualidade de vida termina indo pro espaço, adeus tranquilidade, pois além da perda da bela paisagem creio que logo teremos graves problemas de mobilidade urbana e ambientais, com danos irreversíveis para a população do Guará.
Não sou contra o progresso acho até bom, mas desde que não sacrifiquemos o que temos de melhor e devemos preservar que é a nossa tão cara qualidade de vida, que ora se encontra deveras ameaçada. 
Devemos ficar atentos com o que aprontam os nossos representantes em relação a isso, pois durante a campanha tudo prometem, depois esquecem rapidamente.