sexta-feira, 4 de novembro de 2016

O PASSADO CONDENA



Tem gente que não gosta muito de falar do passado,outros preferem nem comentar para evitar comentários ou ilações em cima dos casos que de vez em quando algum gaiato resolve desenterrar para desespero de alguns,provocando risos na galera que vai à loucura ouvindo.
Lá pela praça uma roda de amigos lembrava das peripécias acontecidas lá no famoso “Copo Sujo”, um reduto que deixou saudades na vida de muita gente,alguns ficam com os olhos marejados quando lembram.
Mas o que interessa mesmo são os casos acontecidos durante o funcionamento do boteco,outro dia ouvi de um ex-frequentador saudoso de lá uma história pra lá de interessante:”Um dos veneráveis frequentadores do “Copo Sujo” gostava muito de carnaval. Nessa época tinha muitos blocos de sujos,onde com aquelas fantasias improvisadas em casa faziam um sucesso danado.
Pois bem,tinha por lá um que não perdia por nada os festejos de Momo e caprichava na fantasia,gostava de se vestir de baiana,fazia o impossível para não decepcionar os fãs que já esperavam do folião o esmero de sempre,e assim anos pós anos o cabra dava aquela caprichada na fantasia.
Até que um belo carnaval,resolveu homenagear Carmem Miranda,foi um arraso,chegou todo saltitante na praça,com um copo na mão,já bem “mamado” e fez a entrada triunfal na praça...era a glória.
Na praça estava um bando de garis que limpavam a praça,no meio deles um “negão” de quase dois metros de altura,por dois de largura...foi paixão à primeira vista,o pobre gari nunca tinha visto uma coisinha mais gostosa na vida e partiu pra cima.
Resultado, o nosso folião nunca mais quis saber de carnaval e quando vê um gari,volta pra casa correndo.”