sábado, 8 de julho de 2017

JEJUM FORÇADO

Sexta-Feira santa resolvi almoçar fora, mesmo sabendo da dificuldade de encontrar um restaurante barato e com vagas para estacionar.
Feriado aqui no DF é difícil essa tarefa, mas não esqueçam que todo gordo é perseverante, principalmente quando o negócio é comida, ninguém segura.



Depois de muito procurar encontrei um por aqui mesmo. Meus olhos brilharam, como se tivesses encontrado um verdadeiro tesouro, quando vi escrito numa placa “Coma a Vontade”. Essas palavras mágicas me obrigaram a procurar uma vaga no estacionamento bem a frente do restaurante. Dei de cara com duas vagas, pensei: que sorte a minha.
Na hora de estacionar, ao meu lado estaciona uma mulher que ocupa duas vagas. Fui questioná-la por estacionar daquela forma, visto a escassez de vagas por ali.
Como resposta, na maior cara de pau, ela foi logo dizendo que parava até em três se assim quisesse, virou as costas me mandando à merda.
Sem querer soltei uma pérola sem contar que a mulher ouvia muito bem, apenas me lembrei que tinha um amigo veterinário que poderia cuidar muito bem dela.
O céu quase veio abaixo, o que ouvi de injurias e palavrões em poucos segundos não está no almanaque, além das ameaças que o marido dela iria me encontrar e dar umas porradas.
A “bixinha” era braba, espumava pelos cantos da boca, tirei meu carro da vaga e resolvi parar na rua de baixo para evitar problemas.
Ainda ouvi ela gritando feito louca “Anotei sua placa, seu baitola”!!
Perdi o apetite. Só assim eu consegui jejuar na Sexta-Feira.