domingo, 17 de abril de 2016

SORRISO AMIGO




Lá no “Porcão” eu e meu amigo Caixa Preta sentados tomando aquela deliciosa cerveja,que apesar de desconfiar que é falsificada a gente toma todas.
Estava doido para ouvir as histórias que o velho Caixa tinha para contar,já não estou aguentando mais esse papo de impeachment que volta e meia você escuta em toda roda de conversa ou mesa de boteco.
Aqui no Guará não é diferente,tudo parece girar em torno disso,então nada melhor do que curtir as histórias do Caixa que com sempre tem uma na ponta da língua para contar,a gente se diverte ouvindo aquelas “mentiras” que ele jura ser verdade e ai de quem duvidar.
Conversa vai, conversa vem resolveu contar uma do cara que era tarado por enterros,não perdia um.
Era só convidar,não precisava nem ser conhecido,lá ia ele consolar a viúva e pegar na alça do caixão,de vez em quando até chorava para dizer que era um grande amigo do falecido.
O cidadão em questão usava uma dentadura,daquelas que o cabra fica parecendo um coelho,com os dentes fora da boca.
Um dia foi ao enterro de um chegado e naquela afobação em pegar na alça do caixão,a dentadura caiu dentro da cova quando o caixão estava sendo baixado,foi um “vexa” legal,mas o cara de pau para não perder a vez falou:”Vai em paz amigo e leva contigo meu último sorriso”.
Fiquei imaginando a cena.