quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

GELADA NO PORCÃO

Fiquei parado sem poder me mover quando deparei com aquela figura que mais parecia Lampião possuído pelo espírito de Dercy Gonçalves, aos gritos de “Oxente bixim” e “Valei-me meu Padim Ciço” sem poder correr esperei pelo pior, afinal de contas era Halloween.



Essa figura com chapéu de vaqueiro, gibão, barba por fazer era uma coisa realmente assustadora...mas quando olhei para os pés do cabra, vi que ele calçava uma “Croc's” vermelha quase não contive o riso.
Era o meu amigo Caixa Preta na minha frente dizendo que agora queria ser conhecido como o “Cangaceiro do Cerrado”, estava incorporado, nada o fazia mudar de opinião, queria declarar guerra contra essa turma que anda querendo dividir o Brasil e talvez até o Guará coisa que ele jamais iria permitir, o cabra estava decidido.
O velho Caixa estava indignado,e eu não encontrava jeito de acalmar o maluco...mas quem sabe na mesa do “Porcão” tomando uma gelada...com o “Galak” aquele gentil garçom que adora dar uns coices sem ferradura nos clientes, sempre com aquele olhar de desconfiado achando que não vamos pagar a conta, onde as vezes me emociono com vontade de lhe dar uma cadeirada, as lágrimas não me deixam.
Fiquei quieto, apenas fiquei ouvindo as novidades que o velho Caixa tinha para contar que pelo jeito eram muitas e boas, quase paguei a conta, mas para não perder o costume, mandei “pendurar”.