sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

CIRCULANDO

Encontrei o velho Caixa na Feira do Guará, resolvemos dar uma circulada pela Feira para observar a movimentação, pensei até que ele ia pagar uma gelada mas daqueles bolsos não sairiam nem pastel e como era hora do almoço, eu estava meio faminto, resolvi convidar o amigo quebrado para almoçar.


O Caixa me falou que no cerrado já tem gente matando tubarão a soco, falava ele da solidão das pessoas dizendo que tem gente apertando o botão do porteiro eletrônico só pra bater um papo com alguém.
Papo vai, papo vem, senti que o velho amigo queria apenas curtir o momento sem ter que esquentar a cabeça com nada, foi quando ele trouxe a tona aquela pesquisa da Codeplan sobre o Guará e soltou essa pérola: “A grande verdade é que tem muita gente se agarrando em qualquer coisa para não cair na escala social, outros sequestrando elevador para subir na vida”. A coisa tá feia!
Foi aí que me confessou que estava mais liso que mussum ensebado , falou que a crise o pegou de jeito ,me contou até que comprou tinta para retocar a radiografia pois não tinha o dinheiro do remédio dei umas boas risadas , a coisa realmente estava feia para o lado do velho Caixa .O ronco do meu estômago já me incomodava, estava já ficando com tontura de tanta fome.
Sentados em um restaurante da Feira o Guerrilheiro Cerrado resolveu abrir o verbo e começou a relacionar o que o estava incomodando , dizia ele na sua relação que quase todas as praças do Guará estão completamente abandonadas e a grande verdade é que muitas delas foram mais maquiadas que prostituta barata em fim de carreira.
A sujeira , bancos quebrados , pisos estragados , quadras de esportes totalmente destruídas...e outras “cositas mas”...etc, etc, etc...praças essas que seria o ponto ideal de encontro da comunidade , mas hoje em sua maioria é frequentada por desocupados e moradores de rua, que muitas vezes usam o alambrado da quadra para fazer exposição de roupas íntimas ao sol.