terça-feira, 27 de outubro de 2015

CAFÉ DO CHEFE

Outro dia encontrei-me com o Caixa Preta mas senti que não ia rolar aquela “cerva” super gelada, nós dois estávamos mais duros que bunda de estátua.
Pensamos em mudar um pouco e dar uma chegada num boteco que tinha sido inaugurado ali na periferia do Guará, o “Mil e Uma Moscas”,não darei o endereço para não fazer merchandising.


O velho Caixa estava doido para contar uma história maluca, fiquei curioso, mas logo ele começou a me contar essa: ”Um avião estava sobrevoando a densa selva africana, cheio de passageiros granfinos, entre eles uma loirinha, bem carnudinha, mas nem por isso menos enxuta...dava um caldo como diz a galera.
De repente um barulho estranho, muita fumaça, todos gritando...mas não teve jeito,o avião caiu e no silêncio que se seguiu podia-se sentir que não escapou ninguém...Minto, a loirinha estava viva e intacta.
Quando os canibais chegaram atrás de comida só encontraram ela, chorando assustada com as roupas em farrapos, resolveram levá-la para a tribo, pois era carne fina e precisava passar pelo crivo do cozinheiro-chefe para uma avaliação, entregaram a loirinha lá na cozinha da tribo.
Um ajudante de cozinheiro queria prepará-la para o jantar do chefe, mas o cozinheiro-chefe examinou direitinho e disse: - Nada de cozinhar esse filé para o jantar do chefe, deixa pro café da manhã porque o chefe gosta de tomar café na cama”.
Canibal é???